quarta-feira, 23 de novembro de 2011

POLÊMICA ORDENAÇÃO DE MULHERES

O que a Bíblia Sagrada diz (ou não diz) sobre o chamado Ministério Pastoral para as Mulheres?

Dom  José Kennedy de Freitas Ph.D – Bispo Eleito

Nesses últimos dias, há um tipo de exegese (ou melhor, eisegese) pela qual se procura a todo custo encontrar apoio bíblico para o que já está em vigor. É como se pudéssemos oficializar, biblicamente, o usual, o que, na prática, já existe. Por exemplo: há danças em várias igrejas; então, encontremos referências bíblicas que as autorizem. Já existem “pastoras” e até “presbiteras” e “Episcopisas” em várias denominações; achemos também passagens em apoio ao “ministério feminino”.

Ora, quem tem a Bíblia Sagrada como a sua fonte primária de autoridade, como a sua regra de fé, de prática e de vida, não deve viver à mercê da falaciosa exegese (exegese?) mencionada. Por isso, resolvi escrever este artigo, não para agradar ou desagradar alguém. Como disse Monteiro Lobato, “Há dois modos de escrever. Um, é escrever com a idéia de não desagradar ou chocar alguém (…) Outro modo é dizer desassombradamente o que pensa, dê onde der, haja o que houver: cadeia, forca, exílio” (Carta a João Palma Neto, São Paulo, 24/1/1948).

Estariam os homens impedindo as mulheres de exercer o ministério pastoral? Essa questão tem gerado polêmica e dividido opiniões. Mas eu quero mostrar, de maneira isenta — apesar de eu ser homem —, o que a Bíblia Sagrada diz. Peço às amadas mulheres que acreditem em mim, pois não tenho intenção alguma de agradá-las ou irritá-las. Este artigo é uma exegese bíblica, imparcial, de quem deseja andar segundo a vontade de Deus, e não conforme o que homens e mulheres convencionam.

Antes de discorrer sobre o “ministério pastoral feminino”, e para ser imparcial, devo mostrar o que as Escrituras dizem sobre o relacionamento entre homem e mulher.
 
O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE A SUBMISSÃO

Muitos homens devem reconsiderar a sua opinião acerca das mulheres, que, ao longo dos séculos, vêm sendo discriminadas, principalmente no meio religioso. 

Vejo que a atitude inconveniente de alguns homens tem como resposta uma postura hostil por parte das mulheres, gerando a chamada “guerra dos sexos”. 

Por que muitas mulheres cristãs estremecem ante o ensinamento bíblico da submissão? Porque muitos maridos são autoritários e se consideram superiores a elas, não respeitando a sua sensibilidade.

No cristianismo genuíno, não há espaço para machismo e feminismo, movimentos extremados que não reconhecem a verdadeira posição do homem e da mulher na sociedade. O primeiro considera a mulher inferior, enquanto o outro trata o homem como um demônio. No Corpo de Cristo, há lugar para ambos os sexos, desde que reconheçam, à luz das Escrituras, a sua posição.

São Paulo compara a submissão da mulher à sujeição do Senhor Jesus a Deus Pai (I Coríntios 11.3). 

Tanto o Deus Filho quanto o Deus Pai pertencem à Santíssima Trindade, sendo iguais em poder (Mateus 28.19; João 10.30). Todavia, Cristo, por amor ao Pai, submete-se voluntariamente, recebendo dEle toda a honra (Filipenses 2.5-11). Além disso, Paulo ensina: “… assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seus maridos” (Efésios 5.24). E Cristo não obriga ninguém a obedecê-lo (Lucas 9.23; Tiago 4.8).
O QUE A BÍBLIA DIZ SOBRE AS DIFERENÇAS

Segundo a Bíblia Sagrada, a relação entre homem e mulher deve ser, antes de tudo, de respeito mútuo (I Coríntios 7.3-5). Deus formou Eva a partir de uma das costelas de Adão (Gênesis 2.18-22) para demonstrar que a mulher não deve estar nem à frente nem atrás, mas ao lado do homem, como ajudadora. E ser ajudadora não é ser inferior, pois o próprio Deus é o nosso Ajudador (Hebreus 13.5,6).

Na Palavra de Deus não há espaço para o falacioso igualitarismo feminista, porém a Bíblia Sagrada também não diz que a mulher é inferior ao homem. Ela é o “vaso mais fraco” (I Pedro 3.7). Quer dizer, mais frágil, mais sensível e, por isso, deve ser amada e honrada pelo marido (Efésios 5.25-29). O princípio que deve prevalecer é o da prioridade, e não o da superioridade (I Timóteo 2.13).

Deus não faz acepção de pessoas (Atos 10.34). Por que, então, alguns homens se consideram superiores? Deus fez a mulher diferente do homem para que ambos se completem, no lar, na sociedade e no serviço do Senhor. Nesse caso, existem tarefas que o homem desempenha melhor, enquanto há atividades em que o talento feminino se sobressai. E isso também deve acontecer nas Igrejas.

O QUE A BÍBLIA SAGRADA DIZ (OU NÃO DIZ) SOBRE A ORDENAÇÃO

Há ou não respaldo bíblico para a ordenação de mulheres? Reitero que nada tenho contra as mulheres, mas peço às minhas amadas leitoras que não fiquem bravas comigo. Afinal, como eu já disse, como Sacerdote de Cristo a minha fonte primacial é a Bíblia Sagrada. Se fosse o meu raciocínio a minha fonte máxima de autoridade, com certeza afirmaria, sem medo de errar, que as mulheres têm todo o direito de reivindicarem a ordenação pastoral. Mas, quem sou eu ante a infalível e inerrante Palavra de Deus?

1) Na Bíblia Sagrada, a única pastora mencionada é Raquel, uma pastora de ovelhas e não de seres humanos (Gênesis 29.9). E o termo “bispa”, em voga na atualidade, sequer existe. Foi uma certa “episcopisa” que, ao lado de seu marido “apóstolo”, o popularizou.

2) Muitos têm dito que as mulheres sequer eram citadas nas genealogias, pois entre os judeus elas eram desprezadas. Isso em parte é verdadeiro. Contudo, esse argumento não é válido para o que está escrito na Lei, pois foi Deus quem entregou todos os preceitos da Lei a Moisés. Seria Deus machista?

3) Os defensores da ordenação feminina citam como exemplo a valorosa cooperadora de São Paulo e esposa de Áqüila, Priscila (Atos 18.26). Mas tudo não passa de conjectura, haja vista não haver nenhuma referência que confirme o seu apostolado.

4) Também citam Júnias, que — pelo que tudo indica — era um cooperador de São Paulo (Romanos 16.7). Mesmo que fosse mulher, o texto não afirma, categoricamente, que se tratava de alguém que exercesse o ministério pastoral ou apostólico.

5) Na Igreja primitiva, as mulheres se ocupavam da oração (Atos 1.14) e do serviço assistencial (Atos 9.36-42; Romanos 16.1,2). E algumas se notabilizaram como fiéis cooperadoras do apóstolo São Paulo, como Febe, a mencionada Priscila, Trifena, Trifosa, etc. (Romanos capítulo 16), além de Lídia, a vendedora de púrpura (Atos 16.14). Não há nenhuma referência a mulheres exercendo atividades pastorais.

6) Alguns teólogos feministas — de maneira precipitada e infeliz — afirmam que o apóstolo São Paulo era machista, contrário às mulheres, em razão de sua formação. Isso não resiste a uma exegese, pois nenhum machista aconselharia os homens a amarem a sua própria mulher, como em Efésios 5.25. Nenhum machista citaria tantas mulheres, como em Romanos 16. O Apóstolo São Paulo, como imitador de Cristo (I Coríntios 11.1), tratou as mulheres da mesma maneira que o Senhor. E, quem dentre nós, tem autoridade para dizer que o Senhor Jesus Cristo era machista?

7) Se São Paulo era machista, o que dizer do Senhor Jesus Cristo, que escolheu doze homens para compor o ministério da igreja nascente, de acordo com Mateus 10.2-4? Ele teria se enganado? Ou o Mestre tinha algum vínculo com fariseus, saduceus, escribas ou quaisquer grupos machistas de sua época?

8) Na escolha dos primeiros diáconos, que poderiam vir a ser ministros, caso tivessem chamada de Deus para tal e servissem bem ao ministério (Hebreus 5.4; I Timóteo 3.13), os apóstolos disseram: “Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete varões…” (Atos 6.3).

9) No primeiro concílio, em 52 d.C., os rumos da Igreja foram traçados por homens e não por mulheres (Atos 15).

10) Em Apocalipse 2 e 3, são mencionados os pastores das Igrejas da Ásia.
Como se vê, apesar de toda a polêmica em torno desse assunto, a Bíblia Sagrada é clara. Embora as mulheres tenham importante papel ao longo das páginas do Novo Testamento, aparecendo na linhagem e no ministério de Cristo (Mateus 1.3,5,6,16; Lucas 8.1-3), Deus conferiu aos homens, em regra geral, o exercício da liderança eclesiástica e não as mulheres (Efésios 4.8-11).

UMA PALAVRA ÀS IRMÃS EM CRISTO

Amadas irmãs, peço-lhes que não fiquem bravas comigo. Talvez, se eu fosse uma mulher, as irmãs aceitariam melhor o que tenho exposto. Mas quero lhes dizer que as nossas amadas mulheres podem e devem pregar o Evangelho, orar pelos enfermos e desempenhar todas as tarefas de um seguidor do Senhor Jesus (Marcos 16.15-18), pois também são cooperadoras de Deus (I Coríntios 3.9).

O que lhes é vedado, não por mim, mas pela Palavra de Deus, é o desempenho de funções reservadas aos ministros. Por exemplo, só os ministros podem ungir os enfermos (Tiago 5.14; Marcos 6.13). Nem os homens, se não pertencerem ao ministério, podem fazer isso! Nesse caso, as mulheres também não devem ungir, a menos que queiram agir por conta própria, e não segundo os preceitos bíblicos.

Por outro lado, muitos obreiros — por falta de conhecimento ou amadurecimento — as impedem de testemunhar, valendo-se erroneamente do texto de I Coríntios 14.34,35. Aqui, São Paulo com certeza não se opôs à pregação feita por mulheres, visto que no capítulo 11 ele mesmo disse que as mulheres podem profetizar na casa de Deus. 

Certamente, o apóstolo se referiu ao falatório ou a um tipo de participação no culto que implicasse ascendência das mulheres sobre os ministros do Senhor, o que infelizmente aconteceu na igreja de Tiatira (Apocalipse 2.20-22).

Outro texto que tem sido usado de modo errado para impedir as mulheres de ministrarem em escolas dominicais, conferências, estudos, etc., é I Timóteo 2.12. 

Mas o apóstolo São Paulo, claramente — à luz dos contextos imediato e remoto —, alude a um tipo de participação feminina que resulte em enfraquecimento da autoridade masculina, quer no lar, quer na casa de Deus, o que fere os conceitos bíblicos já expostos neste artigo.
Finalmente, reconheço queridas mulheres, servas de Deus, que há exceções, como mulheres que estão no campo Missionário. 

Mas não devemos transformar as exceções em regras, como tem ocorrido em Igrejas cujas esposas de pastores e de até Bispos Anglicanos são declaradas, automaticamente, pastoras, presbiteras e até episcopisas.
Quando fazemos valer a nossa própria vontade ou a de outras pessoas à nossa volta, e não a vontade de Deus corremos o risco de enquadramento no que o Senhor Jesus disse em Mateus 7.21-23.

Obs: O autor é Bispo Eleito, Professor de Hebraico, Grego, Teologia Sistemática e Dogmática, Exegese do VT e NT, Hermenêutica Bíblica e Religiões Comparas.

+ Revemº. Dom José Kennedy de Freitas .'. - Ph.D
Sacerdote Episcopal - Bispo EleitoMM.'. II.'. C.'. T.'. R.'.
(62) 8239-1069 - TIM
(62) 8619-2823 - OI
(62) 062- 9202-3338