sexta-feira, 30 de setembro de 2011


A KENOSIS (esvaziamento) DE JESUS, O CRISTO

(Fp 2:5-11)
Rev. José Kennedy de Freitas Ph.D - 2003


Fp 2:5-11 (tradução pessoal): 5 De_sorte_que haja em vós este sentimento que há também em Cristo Jesus, 6 o qual, sendo em a forma de Deus, não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar, 7 mas fez a si mesmo de nenhuma reputação, a forma de servo havendo tomado, havendo sido feito na semelhança de homens; 8 e, na figura havendo sido achado como um homem, humilhou-se a si mesmo havendo se tornado obediente até a morte, morte mesmo de uma cruz. 9 Por isso, também Deus altamente lhe exaltou, e lhe deu um nome que é sobre todo nome; 10 para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, 11 e toda a língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus o Pai.

a. Cristo deixou a glória do céu.        Jo 17:5 E agora glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti mesmo, com aquela glória que tinha contigo antes que o mundo existisse.        2Co 8:9 Porque já sabeis a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, por amor de vós se fez pobre; para que pela sua pobreza enriquecêsseis.



b. "Fez a si mesmo de nenhuma reputação": A excelente "Almeida Corrigida e Revisada, Fiel ...", traduz kenoo por "esvaziou", mas isto pode levar a doutrinas errôneas (ver c.a e c.b, abaixo), porisso devemos preferir o que os dedicados crentes-e-eruditos ponderadamente traduziram na King James Bible: "fez a si mesmo de nenhuma reputação". Note como isto casa com a explicação do próprio texto: Cristo não se importou com sua reputação, mas "esvaziou-se a si próprio" apenas no sentido de se fazer de nenhuma fama ao tomar a forma de servo!!! Há artigos de grandes eruditos em Grego justificando esta tradução. Lembre que o Texto Grego não tem vírgulas, e releia Fp 2:7.- Mesmo que a tradução fosse "esvaziou-se a si mesmo", notemos que:

b.a. - Há grave erro no ensino que: "Cristo, enquanto aqui na terra, voluntariamente despiu-se, ficou sem seus atributos relativos de divindade (onisciência, onipotência, onipresença), enquanto retendo seus atributos imanentes (santidade, amor, verdade)". Os argumentos contrários a esta teoria são: - Isto implicaria que Cristo, enquanto aqui na terra, ficou algo menos que pleno, real Deus. Mas nem por 1 segundo Cristo foi (nem é, ou será) sequer 1 mm menos que 100% Deus! Jo 1:1; 2Co 4:4; Cl 1:15; 2:9; He 1:3. Ver também 3.7 - "A Divindade do Filho", no nosso curso de Cristologia.        João 1:1: "No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus."        2Co 4:4: "Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus."        Cl 1:15: "O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação;"        Cl 2:9: "Porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade;"        Heb 1:3: "O qual, sendo o resplendor da sua glória, e a expressa imagem da sua pessoa, e sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder, havendo feito por si mesmo a purificação dos nossos pecados, assentou-se à destra da majestade nas alturas;"

b.b. Há erro, mesmo que menos grave, no ensino que: "Cristo, mesmo nunca deixando de ser 100% Deus, nunca chegando a ter 1 mm a menos de nenhum dos seus atributos de divindade, voluntariamente deixou, aqui na terra, de exercer, usar alguns desses atributos: Onipresença Jo 11:14-15. Onisciência Mc 13:32; Lc 8:45-46. Onipotência Lc 5:19-20." Os defensores desta teoria alegam os versos:         Jo 11:14-15: "Então Jesus disse-lhes claramente: Lázaro está morto; (15) E folgo, por amor de vós, de que eu lá não estivesse, para que acrediteis; mas vamos ter com ele."        Mc 13:32: "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai."        Lc 8:45-46: "E disse Jesus: Quem é que me tocou? E, negando todos, disse Pedro e os que estavam com ele: Mestre, a multidão te aperta e te oprime, e dizes: Quem é que me tocou? (46) E disse Jesus: Alguém me tocou, porque bem conheci que de mim saiu virtude."        Lc 5:19-20: "E, não achando por onde o pudessem levar, por causa da multidão, subiram ao telhado, e por entre as telhas o baixaram com a cama, até ao meio, diante de Jesus. (20) E, vendo ele a fé deles, disse-lhe: Homem, os teus pecados te são perdoados."Mas os argumentos contrários a esta teoria são:- Isto poderia ser possível para onipresença e onipotência, mas é impossível que se decida não saber o que já se sabe!!!- Lc 8:45-46 é apenas antropomorfismo, Cristo rebaixando-se a falar em termos das limitações dos homens (como Deus perguntando a Adão "onde estás?" Gn 3:9, etc.).         Gn 3:9: "E chamou o SENHOR Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?"- Em Mc 13:32 ("Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai.") o contexto é Filho do Homem, Cristo como o homem perfeito, representando a humanidade. 

b.c. A posição correta é que, como representante perfeito da humanidade e pelo ângulo da sua natureza humana perfeita, Cristo podia dizer que não era onisciente, não sabia do dia e da hora. Mas, na realidade, sua pessoa integral sempre foi e é e será onisciente, Cristo sempre soube qual será aquele dia e hora, pois sua inseparável e indesligável natureza divina é onisciente (ver 3.7.Onisciência, no nosso curso de Cristologia). Analogia: um diplomata pode ao mesmo tempo saber de algo (como pessoa total) e não sabê-la (na qualidade de porta-voz do País)! 


c. "Sendo em a forma de Deus" não quer dizer que Deus Pai tem uma forma física (a mesma que Cristo também tinha, mesmo antes da encarnação). Quer dizer que o Verbo tinha a natureza permanente, essencial, interna, verdadeira e total de Deus o Pai. 


d. "Não teve por usurpação o ser igual a Deus" pode ser traduzido "não considerou o ser igual a Deus coisa a que se devia aferrar." Cristo não considerou a manifestação da sua divindade no céu como um tesouro a que devia se agarrar e reter a todo custo. Na sua encarnação ele não se preocupou em reter nada dessa manifestação.


e. "Havendo sido feito na semelhança de homens" (Ver Jo 1:14; Rm 1:3; Gl 4:4; He 2:14,17) e "a forma de servo havendo tomado" (Ver Is 42:1; 49:5-7; Mt 20:28) Este fato absolutamente estonteante não pode ser mesmo remotamente apreendido pela mente humana: o infinito e santo Criador se fez semelhante às suas criaturas finitas e pecadoras (todavia sem ser contaminado pelo pecado)!!! E. além disso, se fez um humilde servo!!! Oh, o amor de Deus! Is 11:1 diz "... brotará um rebento do trono de Jessé...", não diz "do Rei Daví", mas "de Jessé", um pobre camponês!         João 1:14: "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade."        Rom 1:3: "Acerca de seu Filho, que nasceu da descendência de Davi segundo a carne,"        Gal 4:4: "Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei,"        Heb 2:14,17: "E, visto como os filhos participam da carne e do sangue, também ele participou das mesmas coisas, para que pela morte aniquilasse o que tinha o império da morte, isto é, o diabo;" (17) "Por isso convinha que em tudo fosse semelhante aos irmãos, para ser misericordioso e fiel sumo sacerdote naquilo que é de Deus, para expiar os pecados do povo."        Isa 42:1: "Eis aqui o meu servo, a quem sustenho, o meu eleito, em quem se apraz a minha alma; pus o meu espírito sobre ele; ele trará justiça aos gentios."        Isa 49:5-7: "E agora diz o SENHOR, que me formou desde o ventre para ser seu servo, para que torne a trazer Jacó; porém Israel não se deixará ajuntar; contudo aos olhos do SENHOR serei glorificado, e o meu Deus será a minha força. (6) Disse mais: Pouco é que sejas o meu servo, para restaurares as tribos de Jacó, e tornares a trazer os preservados de Israel; também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra. (7) Assim diz o SENHOR, o Redentor de Israel, o seu Santo, à alma desprezada, ao que a nação abomina, ao servo dos que dominam: Os reis o verão, e se levantarão, como também os príncipes, e eles diante de ti se inclinarão, por amor do SENHOR, que é fiel, e do Santo de Israel, que te escolheu."        Mat 20:28: "Bem como o Filho do homem não veio para ser servido, mas para servir, e para dar a sua vida em resgate de muitos."


f. "Humilhou-se a si mesmo..." O Verbo eterno se pôs na posição de Filho, de Servo, submeteu-se à autoridade, limitou-se, humilhou-se.. . Como He 5:8 ("... aprendeu a obediência...") + Mt 26:39,42 ("... todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres...") e 1Pe 2:21-24 contrastam com Lúcifer em Is 14:13-14 ("...Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono... e serei semelhante ao Altíssimo...)! 


g. Cristo "se fez obediente até a morte"!!! Mt 26:39; Jo 10:18; He 5:8; 12:2.         Mat 26:39: E, indo um pouco mais para diante, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se é possível, passe de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.        João 10:18: Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.        Heb 5:8: Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu.        Heb 12:2: Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.


h. Cristo morreu "morte mesmo de uma cruz", a pior, a mais degradante morte, física e judicialmente. Ver Sl 22:1,6-8,11-18; Is 53:2-12; Gl 3:13.         Sal 22:1: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido?         Sal 22:6-8: Mas eu sou verme, e não homem, opróbrio dos homens e desprezado do povo. (7) Todos os que me vêem zombam de mim, estendem os lábios e meneiam a cabeça, dizendo: (8) Confiou no SENHOR, que o livre; livre-o, pois nele tem prazer.         Sl 22:11-18: Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude. (12) Muitos touros me cercaram; fortes touros de Basã me rodearam. (13) Abriram contra mim suas bocas, como um leão que despedaça e que ruge. (14) Como água me derramei, e todos os meus ossos se desconjun-taram; o meu coração é como cera, derreteu-se no meio das minhas entranhas. (15) A minha força se secou como um caco, e a língua se me pega ao paladar; e me puseste no pó da morte. (16) Pois me rodearam cães; o ajuntamento de malfeitores me cercou, traspassaram-me as mãos e os pés. (17) Poderia contar todos os meus ossos; eles vêem e me contemplam. (18) Repartem entre si as minhas vestes, e lançam sortes sobre a minha roupa.         Isaias 53:2-12 (2) Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca; não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos. (3) Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum. (4) Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido. (5) Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. (6) Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas; cada um se desviava pelo seu caminho; mas o SENHOR fez cair sobre ele a iniqüidade de nós todos. (7) Ele foi oprimido e afligido, mas não abriu a sua boca; como um cordeiro foi levado ao matadouro, e como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, assim ele não abriu a sua boca. (8) Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido. (9) E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca. (10) Todavia, ao SENHOR agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do SENHOR prosperará na sua mão. (11) Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniqüidades deles levará sobre si. (12) Por isso lhe darei a parte de muitos, e com os poderosos repartirá ele o despojo; porquanto derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores; mas ele levou sobre si o pecado de muitos, e intercedeu pelos transgressores.        Gal 3:13: Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;


i. "Por isso, também Deus altamente lhe exaltou" Is 52:13; Jo 17:1; At 2:33; He 2:9.         Isa 52:13: Eis que o meu servo procederá com prudência; será exaltado, e elevado, e mui sublime.        João 17:1: Jesus falou assim e, levantando seus olhos ao céu, disse: Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti;         Atos 2:33: De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis.         Heb 2:9: Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos.


j. O Pai "lhe deu um nome que é sobre todo nome", isto é, Cristo tem a suprema posição de autoridade não só por ser o Criador e Deus, mas também por ter se humilhado e ter obedecido até a morte, morte de cruz, assim sendo o Salvador e Senhor. Ef 1:20-21; He 1:4.         Efe 1:20-21: Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus. Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro;        Heb 1:4: Feito tanto mais excelente do que os anjos, quanto herdou mais excelente nome do que eles.


k. Cristo será universalmente reconhecido como Senhor, por todos!!! Is 45:23; Rm 10:9-10; Ap 5:13; 7:9-12; 14:6-7.         Isa 45:23: Por mim mesmo tenho jurado, já saiu da minha boca a palavra de justiça, e não tornará atrás; que diante de mim se dobrará todo o joelho, e por mim jurará toda a língua.        Rom 10:9-10: A saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação.        Apo 5:13: E ouvi toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.        Ap 7:9-12: Depois destas coisas olhei, e eis aqui uma multidão, a qual ninguém podia contar, de todas as nações, e tribos, e povos, e línguas, que estavam diante do trono, e perante o Cordeiro, trajando vestes brancas e com palmas nas suas mãos; E clamavam com grande voz, dizendo: Salvação ao nosso Deus, que está assentado no trono, e ao Cordeiro. E todos os anjos estavam ao redor do trono, e dos anciãos, e dos quatro animais; e prostraram-se diante do trono sobre seus rostos, e adoraram a Deus, Dizendo: Amém. Louvor, e glória, e sabedoria, e ação de graças, e honra, e poder, e força ao nosso Deus, para todo o sempre. Amém.        Apo 14:6-7: E vi outro anjo voar pelo meio do céu, e tinha o evangelho eterno, para o proclamar aos que habitam sobre a terra, e a toda a nação, e tribo, e língua, e povo. Dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.


Como? "ao nome de Jesus se dobre todo o joelho ... e toda a língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus o Pai."

Por quem? "os que estão nos céus" [os anjos e os salvos, no 3o. céu, e os demônios, no 2o.], "e na terra" [homens viventes, tanto salvos como perdidos], e debaixo da terra, [os perdidos, no inferno].

CONCLUSÃO: Verdadeiramente crer e confessar a Cristo como Senhor, ainda nesta vida, garante salvação eterna; mas esperar até a próxima vida resultará em condenação eterna! A suprema questão não é se o homem reconhecerá Cristo como Senhor, mas sim onde o fará! 



POLÊMICA - MINISTÉRIO DOS APÓSTOLOS



O Testemunho dos Apóstolos – I
"Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus;
porque vos tenho preparado para vos apresentar
como uma virgem pura a um marido,
a saber, a Cristo."
II Coríntios 11:2

"Um só Senhor, uma só Fé", escreveu sob inspiração o apóstolo São Paulo a uma das primeiras comunidades de Fé. [Efésios 4:5] E tornou manifesto: "Se alguém ensina alguma outra doutrina, e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade, é soberbo, e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras". – I Timóteo 6:3, 4b.

Por qual razão adveio São Paulo a escrever tão vigorosas palavras? Queiramos adquirir certeza quanto ao zelo que os apóstolos tinham para com a única Fé.

Profecias apostólicas

No legado dos apóstolos, podemos encontrar profecias referentes ao testemunho da Fé. A apostasia1o desvio da sã doutrina, fora mesmo predita. Haveria de se levantar aqueles que negariam a Cristo, o Mistério de Deus. – Colossenses 2:2.

A oposição ao Testemunho de Deus tomaria uma 'outra feição'. O sutil inimigo viria a empregar uma de suas antigas táticas. Qual? O apóstolo Pedro expôs:
        "E também houve entre o povo [de Israel] falsos profetas,
        como entre vós haverá também falsos doutores,
        que introduzirão encobertamente heresias de perdição
        e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição."
        – II Pedro 2:1
De acordo com o apóstolo São Pedro, o desvio da Fé seria evidenciado por um negar: "E negarão o Senhor que os resgatou". [1 Pedro 1:18, 19] E, o apóstolo indicou a forma em que operaria o sistema de engano: 'encobertamente'. – Cf. II Coríntios 11:3; Gênesis 3:1-5.

A apostasia adviria 'encobertamente', o que denota dissimulação e astúcia. Quais lobos vestidos de ovelhas, os falsos instrutores se adentrariam no convívio dos fiéis. – Cf. Mateus 7:15.

Em verdade, a leitura de I Timóteo 6:3, 4b, demonstra que os sinais de desvios de entendimento já eram evidentes aos apóstolos. De modo que, ao escrever sua segunda carta a São Timóteo, São Paulo fez anotações em caráter de profecia. Ele declarou que alguns, por causa de 'cobiças', iriam preferir dar ouvidos às 'fábulas' do que à verdade. – II Timóteo 4:3, 4.

Sim, haveria de chegar um tempo em que alguns não suportariamas sãs palavras. De modo que, no mesmo sentimento de São Pedro, escreveu São Paulo: "E, sem controvérsia, grande é o Mistério da Piedade: Deus se manifestou na carne, foi justificado em [o] Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, e recebido acima na glória. Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da Fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios; pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizado a sua própria consciência." – I Timóteo 3:16 – 4:1-2.

    1 Apostasia [gr. apostasía] significa 'desvio, abandono ou rebelião' [Atos 21:21], tendo por símbolo bíblico a fornicação. – Oséias 1:2; 14:4.

Um discurso de despedida

Talvez julgue de muito importância o relato que se encontra em Atos, capítulo 20. Que se nos traz? Ali lemos que, ao desejar partir para Jerusalém, o apóstolo São Paulo achou por bem convocar os anciãos da igreja em Éfeso. [Atos 20:16, 17] A reunião foi realizada em tom de despedida. Paulo pressentira pelo Espírito que algo sério estava para lhe ocorrer em Jerusalém. – Veja Atos 20:22, 23.

Por ser a última vez em que estaria com aqueles irmãos [v. 25], São Paulo teve o encargo de fazer observações salutares quanto ao Testemunho de Deus. Quais foram as palavras de São Paulo? O que o apóstolo tinha a dizer àqueles que estavam investidos de responsabilidade pelo rebanho de Deus?
        "Vós bem sabeis, desde o primeiro dia em que entrei na Ásia, como em todo esse tempo me portei no meio de vós. Servindo ao Senhor com toda a humildade e com muitas lágrimas e tentações que, pelas ciladas dos judeus, me sobrevieram; como nada, que útil seja, deixei de anunciar e ensinar publicamente e pelas casas, testificando, tanto aos judeus como aos gregos, a conversão a Deus e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo.
        E agora, eis que, ligado eu pelo espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que lá me há de acontecer, senão o que o Espírito Santo de cidade em cidade me revela, dizendo que me esperam prisões e tribulações. Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contando que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do Evangelho da graça de Deus.
        E agora, na verdade, sei que todos vós, por quem passei pregando o reino de Deus, não vereis mais o meu rosto. Portanto, no dia de hoje, vos protesto que estou limpo do sangue de todos. Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus.
        Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que Ele resgatou com Seu próprio sangue. Porque eu sei isto: que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não perdoarão ao rebanho. E que, dentre de vós mesmos, se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.
        Portanto, vigiai, lembrando-vos de que, durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar, com lágrimas, a cada um de vós. Agora, pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavras da Sua graça; a Ele, que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados.
        De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem o vestido. Vós mesmos sabeis que para o que me era necessário, a mim e aos que estão comigo, estas mãos me serviram. Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos, e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber."
        Atos 20:18-35
'Que ficasses em Éfeso'

Acreditas que São Paulo tenha feito apenas um único discurso a anciãos, os supervisores congregacionais? É certo que ao longo de seu intenso ministério o apóstolo tenha proferido inúmeros discursos à presbíteros. [Atos 20:31] No entanto, o Espírito Santo achou por bem que um dos muitos discursos de Paulo fosse registrado no primeiro livro de história da Igreja. Não consideras tal fato sugestivo?

Realmente, houve uma razão muito especial a que Lucas, o inspirado escritor, registrasse um dos muitos discursos daquele que poderia dizer: "Admoesto-vos... a que sejais meus imitadores... como também eu, de Cristo". [I Coríntios 4:16; 11:1] O apóstolo São Paulo referiu-se oportunamente e com propriedade acerca de seu ministério. Ele afirmou que o seu ministério fora lhe outorgado pelo próprio Senhor Jesus Cristo. – Atos 20:24. Note I Timóteo 1:12.

O apóstolo São Paulo reconhecia quão importante era a incumbência que recebera. Por isso o seu zelo desmedido pelo Testemunho de Deus. Mas por qual motivo São Paulo fez uso de palavras incisivas em sua despedida? Temos a resposta em uma das cartas que ele escreveu a um de seus cooperadores: "Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinem outra doutrina, nem se dêem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na Fé." – I Timóteo 1:3, 4.
Por qual necessidade?
Como podemos ver, nem todos prestaram devida atenção ao claro e instrutivo discurso de São Paulo. Pois, logo após a partida do apóstolo, o que tinha sido previsto começara a ganhar forma na igreja em Éfeso. – Atos 20:29, 30. Cf. I Timóteo 1:5-7.

Já nos dias da igreja primitiva começou a haver murmúrios sobre os apóstolos. Alguns, advindos do paganismo, se mostraram descontentes pois concebiam que a mensagem apostólica era 'muito simples'. Os que assim pensavam, estavam desejosos de 'algo mais rebuscado'. Como? Os tais tinham em conta que o falar divino deveria ser conforme a 'alta crítica' da época, segundo os 'aparatos filosóficos'. [Cf. I Coríntios 4:6] Já outros, advindos do judaísmo, eram inflados no desejo de ser 'doutores da lei', supondo que o falar dos apóstolos não eram condizentes com as 'sagradas tradições'. – Note I Timóteo 1:7.

No entanto, é digno de nota que, São Paulo, em sua despedida, tenha claramente afirmado: "Nada, que útil seja, deixei de vos anunciar e ensinar publicamente". [Atos 20:20] De modo que os irmãos anciãos ouviram: "Porque nunca deixei de vos anunciar todo o conselho de Deus." [v. 27.] Assim posto, 'a necessidade' de tornar o falar apostólico 'mais rebuscado' ou que viesse a sofrer 'necessários acréscimos' era totalmente infundada.

Não, não havia o que buscar no judaísmo ou na filosofia pagã algo que viesse a tornar 'mais consistente' a mensagem apostólica. O que de fato era necessário era a conformidade com "as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a piedade." – I Timóteo 6:3.
'A palavra da pregação de Deus'

"Ó Timóteo, guarda o depósito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vão e profanos e às oposições da falsamente chamada ciência; a qual professando-a alguns, se desviaram da Fé", rogou o apóstolo São Paulo. – I Timóteo 6:20, 21b.

As palavras de São Paulo a São Timóteo não poderiam ser mais apropriadas. Realmente, nelas podemos perceber a medida do zelo apostólico. Certamente, tal zelo era de acordo com o zelo de Deus. [Colossenses 4:12, 13; Tiago 4:5] Por isso, houve os que receberam com devido apreço o falar dos apóstolos. Eis um demonstrativo: "Pelo que também damos sem cessar graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes." – 1 Tessalonicenses 2:13.

De fato, os apóstolos do Senhor corresponderam ao chamamento divino. [I Coríntios 4:1, 2, 9-14] O que eles falavam era em concordância com a incumbência que o Senhor tinha lhes entregue. Entretanto, nem todos manifestavam consideração pelo falar apostólico.

Em sua carta à Igreja em Filipos, São Paulo discorreu acerca dos "inimigos da cruz de Cristo". [Filipenses 3:18] Houve a afirmação de que alguns professos eram na verdade "falsos irmãos". [Gálatas 2:4] E, na localidade de Corinto, haviam os que, aderindo a certas correntes de pensamento, vieram a negar a ressurreição! [1 Coríntios 15:12. Cf. Atos 17:18, 32] Daí o apóstolo ter declarado: "Alguns [dentre vós] não têm o conhecimento de Deus". – I Coríntios 15:34.
Um distinto zelo

Deveras, nos primeiros capítulos do Livro da Revelação de Jesus Cristomesmo antes dos apóstolos dormirem no Senhor, já podia-se perceber nas igrejas locais elementos estranhos à Fé. [Apocalipse 2 e 3] Ensinamentos segundo rudimentos do mundo ameaçavam a simplicidade do Evangelho. – Note Colossenses 2:8, 9.

O falar de não poucos já não era o falar do Espírito. [Tito 1:10, 11; III João 9, 10] De modo que, em sua segunda carta aos irmãos de Corinto, o apóstolo São Paulo fez uma triste anotação: "Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos, e se apartem da simplicidade que há em Cristo." [II Coríntios 11:3, Almeida Contemporânea.] A que devia o temor do apóstolo? A resposta se encontra no versículo precedente: "Estou zeloso de vós com zelo de Deus. Tenho vos preparado para vos apresentar como uma virgem pura a ummarido, a saber, a Cristo.– Cf. Colossenses 2:9, 10.


O  TESTEMUNHO  DOS  APÓSTOLOS   II

"Para que vos lembreis das palavras
que primeiramente foram ditas
pelos santos profetas
e do mandamento do Senhor e Salvador,
mediante os vossos apóstolos."
ii Pedro 3:2

AS ESCRITURAS APOSTÓLICAS revelam duas grandes fontes que vieram a prejudicar a igreja: o judaísmo e as idéias filosóficas gregas. Ao observarmos a história podemos ver claramente que houve sérios desvios da mensagem dos apóstolos. Sim, tanto o judaísmo quanto as idéias helênicas causaram muito dano às primeiras igrejas.

O entendimento original foi danificado por muitos pensamentos, pelas opiniões e filosofias. Ainda no primeiro século, uma mistura de filosofia grega, egípcia e babilônica adentrou nas nascentes comunidades cristãs. Dessarte, foi por intermédio de conceitos e práticas judaico-helênicas que inúmeras doutrinas e práticas foram produzidas e, não muito tempo depois, retidas como dignas de crença. Donde adveio tal permissividade?

COMO  SE  INICIOU  A  APOSTASIA

Note a observação que o apóstolo São Paulo fez à igreja em Corinto: "Porque não ousamos classificar-nos ou comparar-nos com alguns que se louvam a si mesmos; mas estes que se medem a si mesmos e se comparam consigo mesmos estão sem entendimento. Porém não nos gloriaremos fora da medida, mas conforme a reta medida que Deus nos deu, para chegarmos até vós." – II Coríntios 10:12, 13.

A que situação São Paulo se referia? Lemos: "Não nos gloriando fora de medida nos trabalhos alheios". [v. 15a] Mas o que levou alguns a se gloriarem? De fato, em presunção, alguns buscavam reconhecimento próprio dentre os fiéis de Cristo. Para tanto eles supunham que era o aumento de 'número de conversos' que indicava 'confirmação apostólica'. Todavia, segundo o apóstolo São Paulo, não era o 'número' que determinava a legitimação apostólica. 

Ele declarou: "Antes tendo a esperança de que, crescendo a vossa fé, seremos abundantemente engrandecidos entre vós, conforme a nossa regra. [...] Aquele, porém, que se gloria, glorie-se no Senhor. Porque não é aprovado quem a si mesmo se louva, mas, sim, aquele a quem o Senhor louva." – II Coríntios 10:15, 17, 18.

A alegria de São Paulo não estava em ver um número exorbitante de conversos. Ao contrário do que alguns pensavam, ele entendia que a apostolicidade era determinada pela . Paulo apontou-lhes a esperança de crescimento da fé genuína. Todavia, alguns dos que julgavam que o número de séquitos era o real determinante da legitimação apostólica, passaram a facilitar a 'integração' dos pagãos com os seguidores de Nosso Senhor Jesus Cristo. Que deslealdade! Devido a esta situação foi que São Paulo escreveu as notas corretivas:
"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis;
porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça?
E que comunhão tem a luz com as trevas?
E que concórdia há entre Cristo e Belial?
Ou que parte tem o fiel com o infiel?
E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos?"
                                 – II Coríntios 6:14-16
 RESIGNAÇÃO  AO  PAGANISMO
Era de se esperar, não tardiamente, que o facilitado ingresso de pagãos viesse a causar sérios danos à comunidade dos fiéis. Ora, não poucos falsos conversos vieram a obter influência entre os sinceros seguidores do Senhor Jesus. De tal ordem de cousas, temos o registro: "Tenho escrito à igreja; mas Diótrefes, que procura ter entre eles a primazia, não nos recebe. Pelo que, se eu for, trarei à memória as obras que ele faz, proferindo contra nós palavras maliciosas; e, não contente com isto, não recebe os irmãos, e impede os que querem recebê-los, e os expulsa da igreja." – 3 João 9, 10.

Quem era Diótrefes? Era um apóstata que tinha conquistado uma posição de influência em uma dada igreja. [Note I João 4:6] Ora, houve alguns proeminentes que, no afã de conseguir uma maior amostra de 'conversos', não se afirmaram no entendimento original. Eles facultaram o livre ingresso de pagãos mediante princípios notoriamente ilícitos. E, além do mais, expulsavam os genuínos seguidores de Cristo! Assim, vemos claros indícios de que, logo cedo, a Igreja se resignou ao paganismo.

Muitos foram os que aceitavam sem questionamentos certos pressupostos helenizantes. A permissividade viria a corromper a simplicidade da sã doutrina. A leitura das cartas dos apóstolos, mormente II Timóteo e II Pedro, nos revela que, embora o desvio da Fé já era-lhes manifesto, a apostasia estava ainda por ser sistematizada. Como se daria tal sistematização?

FALSOS  OBREIROS

Ao lermos com devida atenção as cartas de Paulo à Igreja em Corinto, podemos ver que naquela igreja havia aqueles que eram favoráveis a toda sorte de mistura pagã. Alguns eram idólatras e influenciavam subtilmente a muitos. Daí, a pergunta apostólica: "Que consenso tem o templo de Deus com os ídolos?"

Não eram todos que estavam claros a respeito do zelo de Deus. [Êxodo 34:14; Deuteronômio 5:6-9; 1 João 5:20, 21] Alguns até mesmo presumiam que a integração do Evangelho aos princípios da filosofia pagã ocasionaria uma promulgação mais ampla do Evangelho. [Note I Coríntios 11:2, 3] De modo que, em parte, foi devido a tal ordem de cousas que o apóstolo denunciou a sabedoria deste mundo como "loucura diante de Deus". – I Coríntios 3:19.

São Paulo estava ciente da raiz de todos os conceitos e iniciativas errôneos. A busca pelos rudimentos deste mundo ocultava a intenção maligna cultivada na mente de alguns: o desejo de ser senhores da herança de Deus. –  Considere I Coríntios 4:8, 15; II Coríntios 11:12. Cf. II Timóteo 4:3, 4.

O apóstolo afirmou que os líderes que consentiam na mistura pagã não eram verdadeiros apóstolos do Senhor. Ele firmemente declarou: "Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça". – II Coríntios 11:13-15.

SEMENTES  DA  APOSTASIA

As anotações de São Paulo evidenciam um quadro lamentável. Já nos dias da nascente igreja havia aqueles que falsificavam a palavra de Deus. Daí o apóstolo ter escrito: "Rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus". – II Coríntios 4:2.

Em decorrência da iniciativa dos obreiros da iniqüidade, tornou-se urgente que os primevos cristãos viessem a "provar os espíritos". [I João 4:1-3; Apocalipse 2:2] Todavia, nem todos atenderam aos conselhos apostólico. Por não terem o entendimento exato da Verdade, muitos foram os que se deixaram levar "em roda por todo o vento de doutrina". [Efésios 4:14] Da falta de visão do que vinha a ser o genuíno crescimento da fé adveio a falsificação da palavra de Deus. Em que consistiu tal falsificação?

segunda carta de São  Paulo a Timóteo mostra o cuidado e as diretrizes dos apóstolos a fim de que os discípulos não cedessem à apostasia infiltrante. Toda esta carta reflete o cuidar apostólico. Quem eram "os homens impostores e enganadores" dos quais São Paulo falava? [II Timóteo 3:13] Eram os que deturpavam os ensinamentos dos apóstolos. – Cf. II Timóteo 3:14;  Tito 1:9-11; II Pedro 3:15-18.

Como agiam os falsos instrutores? Eles não conservavam "o modelo das sãs palavras". [II Timóteo 1:13] Por conseguinte, não se atinham somente às páginas das Sagradas Letras. [II Timóteo 3:15] Tais desencaminhadores eram os que, não satisfeitos com as Escrituras como base de fé e de aperfeiçoamento, iam buscar no meio helênico a opinião dos filósofos. – Note II Timóteo 4:3.

O  ALERTA  APOSTÓLICO

A deserção da mensagem apostólica também iria se caracterizar como "o desviar dos ouvidos da verdade às fábulas". [II Timóteo 4:4] A simplicidade da Fé não seria preservada. Por isso, já nos dias dos apóstolos havia o alerta contra as sementes da apostasia: "Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo coceira nos ouvidos, cercar-se-ão de mestres, segundo as suas próprias cobiças, e se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando às fábulas." – II  Timóteo 4:3, 4, Almeida Contemporânea.

Sim, conforme escreveu São Paulo, haveria um tempo em que homens infiéis teriam influência significativa entre os fiéis. Eles amontoariam "mestres segundo as suas próprias cobiças". Similarmente, São Pedro também escreveu: "E também houve entre o povo [de Israel] falsos profetas, como entre vós haverá tambémfalsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, enegarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E, por avareza, farão negócios de vós com palavras fingidas". – II Pedro 2:1-3.

Pela expressão "introduzirão encobertamente", o apóstolo São Pedro indicou que os falsos instrutores agiriam de acordo com a astúcia da antiga serpente: de forma dissimulada. [Note Gênesis 3:2] O Salvador seria negado como conseqüência das subtilezas dos falsos mestres. Em que época tais avisos apostólicos se cumpririam?

'SE  ALGUÉM  ENSINA  ALGUMA  OUTRA  DOUTRINA'

É importante percebermos que os alertas apostólicos tinham um significado por demais imediato para aqueles que os ouviam. A apostasia já era evidente na igreja das origens! Contudo, o desvio da sã doutrina ainda estava por ser legalizado entre os fiéis.

Sim, nas primevas comunidades, considerável número de apóstatas começou a desorientar as fiéis testemunhas do Senhor Jesus. De modo que havia a necessidade de se tomar uma decisão de todo drástica por parte dos fiéis. O 'aparta-te' tornar-se-ía inevitável:
"Se alguém ensina alguma outra doutrina,
e se não conforma com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo,
e com a doutrina que é segundo a Piedade,
é soberbo, e nada sabe, mas delira acerca de questões e contendas de palavras,
das quais nascem invejas, porfias, blasfêmias, ruins suspeitas,
contendas de homens corruptos de entendimento e privados da verdade,
cuidando que a Piedade seja causa de ganho. Aparta-te dos tais."
                                                                – I Timóteo 6:3-5
Porventura não tinham o devido discernimento aqueles que eram favoráveis ao paganismo? Entretanto, segundo o apóstolo São Paulo, a questão premente não era com respeito a falta de discernimento de alguns. O fato era que ministros de Satanás já haviam se transfigurado em ministros da justiça! – II Coríntios 11:13-15.

OS  ANÁTEMAS

O Senhor havia prescrito: "Acautelai-vos... dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores." [Mateus 7:15] Seriam as palavras do Mestre referentes a tempos longínquos?

1   "Pois do céu é revelada a ira de Deus contra toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça", asseverou São Paulo aos crentes que estavam em Roma. [1:18] Com efeito, o apóstolo apontou o mistério da iniqüidade como uma força que já estava em atuação: "o mistério da iniqüidade já opera". – 2:7, King James.

    Os apóstolos eram aqueles que anunciavam o Mistério da Piedade. No entanto, temos aqui referência a um tal Mistério da Iniqüidade. Não é interessante notar que a forma como São Paulo enunciou deu a entender que 'o mistério da iniqüidade' era emergente em seus dias?

 O que é isso senão a batalha entre o Testemunho de Deus e o Mistério, Babilônia, a Grande ? No entanto, a escrita do apóstolo indicou que 'o mistério da iniqüidade' era algo que desenvolvia entre os próprios 'cristãos': a corrupção da Fé. – Note II Tessalonicenses 2:3; 3:2. 
Não, as palavras de alerta do Senhor não eram necessariamente referentes a dias muito distantes. O discurso de despedida do apóstolo São Paulo aos anciãos da igreja em Éfeso, o qual lemos na íntegra no precedente capítulo, é um claro demonstrativo de que, tão cedo nas primevas igrejas, as sementes da apostasia estavam manifestas.1

Por certo, medidas salutares deveriam ser tomadas para que a sã doutrina e o rebanho de Deus fossem resguardados. As palavras de São Paulo tinham o indicativo de que 'o joio' já tinha começado a ganhar proeminência entre as comunidades de Fé. [Mateus 13:26] Embora alguns dissessem ser apóstolos de Cristo, na verdade eram eles "os filhos do maligno", os anátemas. – Mateus 13:39. Cf.Gálatas 1:8.

DE  UMA   VEZ  POR  TODAS!

O apóstolo São Judas, enquanto escrevia sua carta, afirmou que a Fé  havia sido entregue de uma vez por todas aos santos. [v. 3] Em acordo, São Paulo, ao escrever ao jovem Timóteo, exortou que a Fé deveria ser guardada e conservada. [I Timóteo 1:18, 19; 3:9] Certamente, pois, que não havia a 'necessidade' de que a doutrina apostólica fosse 'formulada' ou que algo fosse acrescentado a ela.

A Fé  havia sido, de uma vez por todas, entregue aos santos. Qual era então a única necessidade dos fiéis em relação a doutrina dos apóstolos? Paulo deu o indicativo: "E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros." – II Timóteo 2:2.

De fato, não havia necessidade de adicionais ao falar apostólico. O ensinamento dos apóstolos deveria ser apenas transmitido tal qual fora recebido! Mas como a transmissão do falar divino estaria assegurada para toda a posteridade de crentes?

DAS  TRADIÇÕES  DOS  APÓSTOLOS

Ao escrever aos irmãos que estavam em Tessalônica, São Paulo observou-lhes: "Irmãos, estai firmes e retende as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa.– II Tessalonicenses 2:15.

É interessante a distinção entre 'tradições por palavra' e 'tradições por epístola' feita pelos apóstolos. O que nos ensina? Que na Igreja da origem havia duas linhas de autoridade: a tradição oral e a tradição escrita. Contudo, é de se notar que, as aludidas 'tradições' dizem respeito às boas práticas para o convívio saudável entre os fiéis. –  Note I Tessalonicenses 4:1-12. Cf. II Tessalonicenses 3:6-15.

De fato, as tradições dos apóstolos eram as observações práticas dos fiéis. [Note I Coríntios 11:2] No Atos dos Apóstolos, temos o elucidativo achado: "E [a multidão dos que creram] perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações." – 2:42.

Deveras, as tradições objetivavam-se a um único fim: o Testemunho de Deus. Como se sublinha: "... para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador." – Tito 2:10b.

OS  APÓSTOLOS  E  AS  INSPIRADAS  ESCRITURAS

Perseverança na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações. Tais itens perfazem o quadro completo da tradição apostólica. Entretanto, em que se firmava a sã doutrina anunciada pelos apóstolos de Deus? Considere o claro e proveitoso relato de Lucas: "E logo os irmãos enviaram de noite  Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim." – Atos 17:11.

O escritor inspirado afirmou que os judeus bereanos "eram mais nobres". Tal elogio, por certo, não fora gratuito. Foi devido a que os de Beréia tomaram a livre iniciativa de confrontar o que ouviram dos apóstolos com 'o que está escrito'. Que notável! Os bereanos se propuseram a um exame minucioso das Escrituras. São Lucas os mencionou como sendo 'mais nobres' do que os que estavam em Tessalônica. Por qual razão? "Porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim"!

1   Notemos que o discurso de Paulo evidencia os mesmos enunciados que Moisés proferiu ao se despedir dos filhos de Israel. – Cf. Deuteronômio 31:27-29. Veja apontamentos vitais no subtópico 'Nos Últimos Dias', do Capítulo 7.
  
A observação de São Lucas condiz de forma apreciável com a nota corretiva que se encontra na primeira carta de Paulo aos tessalonicenses.1 O apóstolo exortou: "Certificai-vos de todas as coisas; apegai-vos ao que é excelente." – 5:21,Literal.

NOBRES  ESTUDANTES  DAS  SAGRADAS  LETRAS

O apóstolo São Paulo encorajou os fiéis a que examinassem as Escrituras.Certamente que Paulo não tinha receio de que o seu ensino fosse posto à prova por nobres estudantes das Sagradas Letras. [II Timóteo 3:15] Mas implicaria o incentivo do exame das Escrituras  em que cada estudante ou expositor viesse a ter interpretações particulares? Por certo que não! Em verdade, as primevas congregações de Fé foram alertadas a não irem "além do que está escrito"! [I Coríntios 4:6] Que cuidados deveriam então nutrir os fiéis do Senhor para com as Escrituras! – Note II Pedro 3:16.

Há critérios que devemos nos ater no estudo do Livro de Deus. Em 2 Pedro 1:19 encontramos: "E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis, em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que esclareça, e a estrela da alva apareça em vossos corações." Quão instrutivas palavras!2

Sim, devemos ser aqueles que estão atentos à palavra profética. Todavia, importa que guardemos conosco o que o apóstolo com sabedoria declarou:
"Sabendo primeiramente isto:
que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação".
                                                                                    – II Pedro 1:20

CONFORMADOS  AO  MODELO  DAS  SÃS  PALAVRAS

Nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação. Há algum outro necessário requisito a que diligentes estudantes das Escrituras devem se apegar? Sim, o apóstolo Paulo preceituou: "Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós." – II Timóteo 1:13.

A que se refere "o modelo das sãs palavras"? O conservar do modelo das sãs palavras só é possível se estivermos conformados às "sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, e com a doutrina que é segundo a Piedade"! [I Timóteo 6:3. Note 3:16] A doutrina dos apóstolos – a doutrina que é segundo a Piedade –é o falar das Escrituras, o falar do próprio Deus. – Note I Tessalonicenses 2:13.

A  HERANÇA  DOS  APÓSTOLOS

Os apóstolos do Senhor tinham uma única ocupação: o anúncio do Testemunho de Deus; de serem cooperadores da Verdade! [3 João 8] Todavia, o que se sucederia após os apóstolos descansarem no Senhor da vida? Lendo as últimas cartas dos apóstolos São Paulo, São Pedro e São João, notamos o encargo apostólico quanto a preservação da sã doutrina.

É proveitoso observar as palavras culminantes de São Paulo em seu discurso de despedida dos anciãos a igreja de Éfeso. [Atos 20:17-35] Após ter feito um triste prognóstico [vv. 29, 30], o apóstolo fez soar o alerta [v. 31], fazendo o ressalto: "Agora pois, irmãos, encomendo-vos a Deus e à palavra da Sua graça, a Ele, que é poderoso para vos edificar e dar herança entre todos os santificados." – Atos 20:32.

Nenhuma outra fonte os apóstolos tinham para abalizar a sã doutrina, senão as Escrituras Sagradas. [Note 2 Timóteo 4:2, 3] Entretanto, como a sã doutrina poderia ser assegurada para todas as gerações dos que viriam a crer no Senhor Jesus Cristo? Seriam a doutrina e a tradição preservadas? Que garantia tinham os apóstolos quanto a um futuro ameaçado pela sombra dos desvios da Fé vista já nos dias da primeva igreja?
______
1   A observação apostólica veio a propósito: Os fiéis de Tessalônica davam crédito a certas interpretações proféticas não acuradas referentes à vinda do Senhor. [1 Tessalonicenses 4:13-18] Devido a não perscrutarem as Escrituras, alguns se expunham a inconstância de entendimento e perturbação desnecessária. – 2 Tessalonicenses 2:1, 2.

2   O que indica que o genuíno entendimento das Escrituras é gradual e cumulativo a todos que buscam o Senhor. – Provérbio 4:18.
  
É digno de nota que São Paulo não confiava num assim chamado 'Magistério' [lat.Magisterium, que significa Mestre ] dito 'infalível'. Realmente, o apóstolo São Paulo não confiava num suposto 'colégio eclesiástico' que arroga-se das prerrogativas que pertencem somente ao Único que é infalível – Nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo. – João 13:13. Cf. Mateus 23:8-10.

Nenhum dos apóstolos concebiam a idéia de que a Verdade fosse um 'bem' a ser transmitido de forma legalizada! Não, este não é o conceito apostólico. Nada aduziu São Paulo ou qualquer dos apóstolos sobre uma suposta 'transmissão catedrática'. Antes, qual era a confiança dos apóstolos quanto ao Testemunho da Verdade? Uma confiança total nAquele que é o Poderoso! São Paulo encomendou os irmãos ao próprio Deus e ao Seu falar! Não é o que temos lido? Deveras, a esperança de Paulo era o próprio Deus e a eficácia sobrepujante de Sua palavra.

DEUS  VELA  SOBRE  A  SUA  PALAVRA!

Por mais que os homens maus e impostores e os demônios tentem barrar o anúncio do Testemunho de Deus, sempre o Senhor dará a última resposta. "Eu velo sobre a minha palavra para a cumprir", disse o Senhor a um de Seus profetas. – Jeremias 1:12b.

Se em determinada época os homens deixam de corresponder ao chamado de Deus; se o testemunho divino possa parecer enfraquecido nos filhos de Deus, não nos esqueçamos de que só o Senhor é Deus, que Ele é Absoluto em e sobre todas as cousas! – Note Mateus 16:18.

Deus sabe como agir na história da humanidade. Ele é o Rei dos séculos.De modo que Ele bem sabe quando e como o Seu testemunho deve brilhar em toda a intensidade entre os homens. Ele vela sobre a Sua palavra para a cumprir!

Nos precedentes subtópicos vimos alguns pontos pertinentes à doutrina e tradição apostólica. Também vimos acerca de como os apóstolos entendiam a transmissão da sã doutrina. Mas há por certo outros pontos que se encontram delineados nas epístolas. Em conclusão deste capítulo, queiramos considerá-los.

PRESERVANDO  A  DOUTRINA  E  A  TRADIÇÃO  DOS APÓSTOLOS

"Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e na caridade que há em Cristo Jesus. Guarda o bom depósito pelo Espírito Santo que habita em nós", observou São Paulo a um de seus cooperadores. – 2 Timóteo 1:13.

Ora, foi em concordância plena com São Paulo que o apóstolo São Pedro, em sua primeira carta, pronunciou-se: "Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus". [4:11] Assim, o parecer dos apóstolos é bastante claro: As Sagradas Letras é o único padrão confiável para todo o nosso falar, à toda transmissão de doutrina e de ensinamentos.

Afirma-se que os escritos dos profetas e dos apóstolos são suficientes para adquirirmos a perfeita instrução. Que consideras? É São Paulo, o apóstolo, quem se pronuncia: "Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra." –  II Timóteo 3:17. Cf. II Pedro 1:21.

Deveras, é nAquele que inspira e por meio dEle que importa que sejamos elevados à perfeição. Posto que, o nosso crescimento deve ser "sobre o fundamento dos apóstolos e profetas". [Efésios 2:20, Darby. Note v. 22.] Que concluímos, pois? Por certo que os critérios de preservação da doutrina e da tradição dos apóstolos se encerra nas Escrituras Sagradas. Não prescreveu o apóstolo São Paulo aos primeiros crentes a não irem "além do que está escrito"? Ora, esta prescrição é conforme a exortação: "Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus"!